Dia 1 – Aeroporto de Atlanta e primeiras impressões de Las Vegas

Ao chegarmos no aeroporto de Atlanta, nossa primeira impressão dos Estados Unidos não poderia ter sido melhor. Entramos na fila para ingresso dos imigrantes, que parecia grande, mas felizmente andou rápido.

A partir daí, todos os oficiais pelos quais passamos foram muito atenciosos. O primeiro fiscal nos fez as tradicionais perguntas, quanto tempo ficaríamos, onde iriamos, etc. Perguntou também onde trabalhávamos e quando o Gabriel disse que trabalhava nos Correios, ele abriu um sorriso e começamos a conversar sobre o assunto.

Após passar por diversas etapas de fiscalização, fomos à procura de onde sairia o próximo voo para Las Vegas, dali dez horas. Perguntamos para uma funcionária do aeroporto que foi muito atenciosa e nos mostrou onde ficava o TRAM que liga os seis terminais do aeroporto.

AEROPORTO DE ATLANTA

Mapa Aeroporto Hartsfield-Jackson de Atlanta

Curiosidade é que o Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson de Atlanta é o maior do mundo, em número de passageiros. Ele sozinho possui mais “fingers” (aqueles corredores que ligam o terminal direto ao avião) do que o Brasil inteiro.

Seguimos então para o TRAM, que além de rápido é extremamente pontual. Como teríamos bastante tempo neste local, pudemos andar várias vezes nele e conhecer um pouco o aeroporto, além de descansar e começar a praticar o inglês.

Tram que liga os terminais no Aeroporto de Atlanta

Gastamos um pouco comprando uma água mineral caríssima e almoçamos numa pizzaria mediana que nem lembro mais o nome. Ficamos fazendo hora no aeroporto indo de um terminal para outro, descansando de vez em quando e procurando algum lugar que vendesse frutas frescas, pois eu estava com desejo.

Mais tarde acabamos jantando numa pizzaria um pouco melhor, a Famiglia Pizzeria, mas não comemos pizza e sim um calzone. Após dez horas no aeroporto de Atlanta, finalmente seguimos para o embarque com destino a Las Vegas.

Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson de Atlanta

LAS VEGAS

O voo foi igualmente tranquilo e mais fácil de descansar, talvez em função de estarmos muito cansados. Chegamos no aeroporto Mc Carran de Las Vegas por volta das 17h e também pegamos um TRAM para buscar nossas malas em outro terminal.

Ao entrar no aeroporto caiu a ficha de que estávamos em Las Vegas, pois já no aeroporto, para todo lado que você olha se vê uma maquina de jogo, um neon, e mesmo com muito sono, não tem como não se sentir maravilhado.

Chegada ao Aeroporto Mc Carran em Las Vegas

CONTRATEMPOS

Apesar da nossa euforia, aqui cabe um comentário infeliz em relação à viagem. Fomos para a esteira e nada das nossas malas aparecerem. O tempo passava, novas pessoas de outros voos chegavam e nada das nossas malas.  Depois de um tempo, o Gabriel foi na “loja” da Delta com o intuito de perguntar o que havia acontecido, com muito medo de extravio.

Ao chegar nela, vimos diversas malas na frente dessa loja, inclusive as nossas duas. Ou seja, provavelmente elas chegaram muito antes de nós, em outro voo, já que ficamos dez horas em Atlanta.

Detalhe é que essas malas ficam ali expostas, qualquer pessoa pode pegar e levar embora, pois foi isso que fizemos com as nossas, simplesmente pegamos sem avisar ninguém.

No entanto, o pior não foi isso, mas sim ver que uma das rodinhas principais de uma das malas estava completamente destruída, ausente. Isso prejudicou o carregar dessa mala durante toda a viagem, não sendo possível arrastá-la pelo método tradicional. Pensamos em reclamar, mas o que eles poderiam fazer? Dar uma mala nova? Claro que não, então deixamos quieto, queríamos ir para o hotel logo.

Entramos numa fila gigantesca de táxis, com espera de aproximadamente 30 minutos, para finalmente pegarmos um táxi. Apesar do aeroporto ser próximo do nosso hotel, o Excalibur, já pudemos nos impressionar com as novidades.

Vista da Strip

HOSPEDADOS

Fizemos o check-in e subimos para o quarto. Detalhe importante é que o atendente disse que, na saída, não precisaríamos mais passar por ali para fazer o check-out. Isso é uma regra especifico deste hotel, pois nos outros que ficamos, o processo não funciona assim.

Depois de descansarmos um pouco no quarto, descemos para conhecer as proximidades do hotel, mas sem nos afastarmos muito. Na verdade ficamos na mesma quadra do hotel, apenas espiando a strip para sentir o clima da cidade. 🙂

Espiada na Strip na frente do Excalibur

Voltamos para o hotel, como estávamos esfomeados e cansados, decidimos jantar por ali mesmo. Fomos no Johnny Rockets e comemos isso:

Nossos hambúrgueres deliciosos

Após isso: cama. Precisávamos descansar e recuperar as energias, pois muitas aventuras nos aguardavam, confira nos próximos posts.

Sair da versão mobile